quinta-feira, 14 de junho de 2018

“Encontros de Autor 2018” com Joan Arnay Halperin, autora do livro My Sister' s Eyes


O passado dia 6 de junho foi um dia memorável no Agrupamento, a sessão com Joan Halperin, autora do livro My Sister’s Eyes tornou este dia intenso e único. Esta atividade dinamizada pelo Projeto “Dever de Memória”, no auditório da Escola Secundária, iniciou-se com as boas-vindas por parte do Diretor do Agrupamento e o agradecimento à escritora, à Dra. Mariana Abrantes, pelo apoio a esta iniciativa, aos alunos do 9º B, que leram e trabalharam a obra, aos alunos das turmas E do 9º e B de 12º (Línguas e Humanidades), à Direção do Agrupamento, aos professores e pais presentes, aos assistentes operacionais pelo apoio, em particular à D. Fátima Caldeira que organizou os arranjos florais e à restante plateia, pela Coordenadora do Projeto UNESCO, Dores Fernandes.
Esta iniciativa surgiu na sequência da oferta, através da Drª. Mariana Abrantes, entusiasta desta causa, no passado mês de fevereiro, de 25 exemplares desta obra às bibliotecas escolares do Agrupamento e à Biblioteca Municipal, no âmbito do Projeto Dever de Memória, pela Sousa Mendes Foundation, com o objetivo de ser lido e analisado pelos nossos estudantes.
A escritora norte-americana contou, de forma muito motivadora, a história da fuga da sua família, em tempo de guerra e de perseguição nazi, da Polónia até Bordéus (no sul de França), onde graças ao acto de coragem de Aristides de Sousa Mendes, conseguiu um visto para viajar para Portugal, percorrendo um Caminho de Liberdade. O nosso país apresentou-se como terra de esperança para a sua família e para muitos outros refugiados, os quais foram acolhidos calorosamente pelo povo português. A vivência, ao longo de dezoito meses, e o apoio dispensado aos seus pais e família na Figueira da Foz, que são recordados com muito carinho no seu livro e finalmente a viagem para a Jamaica, onde faleceu a sua irmã Yvonne, e o recomeço de sua vida nos Estados Unidos foram outros momentos testemunhados na palestra. A plateia, constituída por alunos, pais e professores, ouviu com grande atenção a comovente história de sobrevivência da sua família apresentada de forma próxima e muito afetiva.       

Seguiu-se a apresentação do trabalho interdisciplinar desenvolvido pelos alunos do 9º B, no âmbito das disciplinas de Inglês e de Educação Visual, sob a orientação das professoras Lurdes Cruz e Josefa Reis, orientado por um guião de exploração da obra, fornecido pela autora e adaptado segundo as diretrizes pedagógicas do projeto na sua abordagem didática, envolvendo o estudo do Holocausto e o ato humanista de Aristides de Sousa Mendes, numa filosofia do “Antes”, “Durante” e “Depois” do Holocausto (SHOA) que deslumbrou a autora e todos os presentes. Assim, foram lidos pelas alunas Laura Sousa e Mª João Amaral, expressivamente, excertos dos resumos da obra em Inglês. Foi apresentado, pela Bruna e pelo Martim, através de um PowerPoint, o trabalho artístico realizado - um scrapbook - uma reinterpretação bilingue (em Português e Inglês) da história que resultou num trabalho gráfico de grande valor criativo e emotivo.
A interpretação da obra em scrapbook, teve como motivo o facto de ter sido dado a Joan Halperin, pela mãe Hala, um álbum de fotos sobre Yvonne, sua irmã, portadora do visto de Aristides de Sousa Mendes, passado à família em 1940, em Bordéus. Esta apresentação, materializa o regresso ao passado de forma interativa, num equilíbrio entre os conceitos verbais e visuais, indo ao encontro das emoções emanadas pela obra e pela própria autora. Dos três exemplares criados, dois foram oferecidos, um à autora Joan Halperin e outro à professora Dores Fernandes, Coordenadora do Projeto UNESCO, para memória futura, o terceiro é o protótipo de orientação deste trabalho e pertença da docente Josefa Reis, autora dos estudos realizados previamente e que permitiu a orientação do trabalho com os alunos. No dizer da própria autora Joan Halperin “uma verdadeira obra de arte inspirada no meu livro, fico tão orgulhosa!


A encerrar a sessão, foi apresentada uma reflexão, pela Beatriz Alexandre, sobre a experiência de leitura e interpretação da obra, que traduziu o gosto e o enriquecimento pessoal que o trabalho literário lhes trouxe. Realça-se, ainda, a mais-valia do desenvolvimento de capacidades como a criatividade e o domínio da língua inglesa em resultado do envolvimento neste projeto.
 A terminar a sessão, a autora foi agraciada com ofertas da Câmara Municipal (filme/livro Aristides de Sousa Mendes, o Cônsul de Bordéus e a medalha do centenário da morte deste herói) e da Equipa UNESCO (o livro Aristides de Sousa Mendes- Memórias de um Neto, de António Moncada Sousa Mendes e outros artigos emblemáticos do projeto). Finalmente, juntou-se a esta comitiva, Gérald Mendes e Tereza Sousa Mendes, netos de Aristides de Sousa Mendes e uma bisneta, Margarida Mendes, com os quais o projeto UNESCO do Agrupamento tem cooperado.
Paralelamente ao evento e para contextualizar historicamente a obra, esteve patente a exposição “MEMÓRIAS num tempo…100 TEMPO”, constituída por um conjunto de fotografias documentais e da obra em epígrafe, organizada segundo a mesma filosofia de interpretação e que será cedida a título de empréstimo, pelo projeto UNESCO do Agrupamento de Carregal do Sal, ao Museu Municipal Santos Rocha, na Figueira da Foz, com o objetivo de contextualizar historicamente a Palestra Interativa, com Joan Arnay Halperin, no próximo dia 13 de junho no referido Museu, atividade dinamizada no âmbito do projeto "Figueira, Farol da Liberdade", pelas docentes Helena Romão e de Inglês do AEZUFF, cruzando assim o caminho dos refugiados da II Guerra Mundial com o ato de Aristides de Sousa Mendes. 
Estes encontros são um privilégio, um “Dever de Memória”. Aristides de Sousa Mendes é, efetivamente, o catalisador de projetos em torno da temática dos Direitos Humanos, unindo pessoas no mesmo propósito… Educar para não ESQUECER num formato de “Rota da CONSCIÊNCIA”…um caminho…uma viagem!




 

Dores Fernandes e Josefa Reis

Fotos: Josefa Reis







quinta-feira, 31 de maio de 2018

ACOLHIMENTO DO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS INDÚSTRIAS DA MADEIRA E MOBILIÁRIO


No passado dia 11 de maio, ao final da tarde, um grupo de cerca de cinquenta formandos, do Centro de Formação Profissional das Indústrias da Madeira e Mobiliário de Lordelo (concelho de Paredes), visitou a Casa do Passal, acompanhados pelos seus formadores. Este Centro de Formação faz parte da Rede de Escolas Associadas da UNESCO, tal como o nosso Agrupamento, e foi no âmbito de uma parceria recentemente estabelecida, que acolhemos o grupo, junto da casa de Aristides de Sousa Mendes, com a habitual colaboração do Dr. Luís Fidalgo, membro da Fundação Aristides de Sousa Mendes.
A docente Josefa Reis dirigiu umas palavras de boas-vindas ao grupo, apresentando os restantes membros da comitiva de receção e entregou um flyer, o qual contém uma resenha sobre Aristides de Sousa Mendes e sobre o património local, documento emblemático do projeto Dever de Memória. Já a Coordenadora do Projeto UNESCO, Dores Fernandes, no espaço exterior da Casa, proferiu uma breve abordagem sobre a ação de salvamento do Cônsul, no contexto do holocausto nazi, ao passar vistos a 30 mil pessoas, em Bordéus, referindo-se, ainda, ao estilo arquitetónico da casa e às recentes obras de consolidação das paredes e cobertura.
Seguiu-se a visita ao interior da Casa, onde, no hall de entrada, o Dr. Fidalgo destacou a bondade e o espírito altruísta de ASM, que pondo em perigo a sua carreira e a sua vida desobedeceu à Circular 14, pelo que foi duramente penalizado, assim como a sua família, tendo morrido na miséria. “Este ato heróico coloca-o ao nível dos grandes defensores dos Direitos Humanos, orgulha o nosso país e a nossa região”, concluiu o anfitrião.
O programa da sua visita de estudo incluía, também, o Núcleo Museológico Fronteira da Paz - Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes, em Vilar Formoso e a vila de Almeida. No entanto, apesar da longa jornada, o grupo revelou grande interesse e curiosidade em conhecer a história do Cônsul, tendo enaltecido a ação deste humanista, e colocado questões pertinentes acerca do futuro da Casa.
Foi um enorme gosto receber mais este grupo em Cabanas de Viriato, iniciativa que vai de encontro aos objetivos do projeto que abraçámos, como “embaixadoras da causa Aristides de Sousa Mendes", missão que continua a encher-nos a alma.
Dores Fernandes e Josefa Reis
Fotos: Josefa Reis

terça-feira, 22 de maio de 2018

"Encontros de Autor 2018"


Uma crónica de família salva pelo visto de Aristides de Sousa Mendes "My Sister's Eyes", de autoria da norte-americana Joan Arnay Halperin e um trabalho interdisciplinar sobre a obra, realizado pelo 9º B, sob a orientação das docentes de Inglês, Lurdes Cruz e de Educação Visual, Josefa Reis, darão o mote para um encontro que marcará, de forma indelével, a comunidade escolar do Agrupamento, no  dia 6 de junho, no Auditório da Escola Secundária.





Da autora chegou a mensagem seguinte:

Dear Josefa and Dores, 
Mariana just sent me the wonderful poster that Josefa has created for my visit to Cabanas-Carregal do Sal.

I love the fact that you, Josefa, choose the photo of my mother holding the infant Yvonne to include in the poster.
She reminds me of the Madonna. 

Thank you for your caring attention to my story.
I love you all, 
Joan


17º Encontro de Escolas Associadas da UNESCO

Um fim-de-semana de trabalho, mas também de partilha do desenvolvimento dos projetos e das atividades das várias escolas presentes no 17º Encontro da Rede Nacional das Escolas Associadas da UNESCO, que teve lugar no Colégio Luso Internacional do Porto, nos dias 21 e 22 de abril.
Este encontro contribuiu uma vez mais para o Re(encontro) e aproximação de todos em prol dos mesmos objetivos: partilhar saberes e experiências para uma melhor educação e contribuir para a construção de um mundo melhor. Enriquecedoras e motivadoras, para o nosso trabalho enquanto professores, foram também as conferências subordinadas às diversas temáticas como International MindednessCidadania GlobalObjetivos de Desenvolvimento Sustentável, entre outras, proferidas pelos convidados.
Do programa constava a apresentação dos projetos de boas práticas de várias escolas recentemente integradas na rede. No nosso país são, neste momento, 100 as escolas associadas. O desenvolvimento do Projeto Dever de Memória foi apresentado aos participantes, tendo merecido interesse da audiência pela dinâmica empreendida no seio do Agrupamento, pelo facto de extrapolar os “muros da escola” e de se projetar na comunidade local e internacional.
 Digno, ainda, de registo o simpático e caloroso acolhimento por parte do Colégio anfitrião que zelou para que tudo decorresse da melhor forma, proporcionando, ainda, agradáveis momentos musicais, dinamizados pelos alunos e de convívio entre os participantes num aprazível Porto de Honra.
Como consta do relatório do referido Seminário da autoria da Comissão Nacional da UNESCO: “Os trabalhos decorreram no âmbito de três grupos temáticos: Educação para a Cidadania Global, Literacia dos Oceanos e Alterações Climáticas. As conclusões dos grupos de trabalho foram apresentadas em plenário, assinalando-se a dinamização da cooperação entre escolas; a promoção do pensamento crítico; a mobilização de conhecimentos, sentimentos e capacidades para atividades e ações diferentes e o debate sobre as 7 perspetivas de Literacia do Oceano da UNESCO. Resultou deste Encontro a partilha de boas práticas sobre o trabalho realizado nas escolas portuguesas, angolanas, cabo-verdianas e brasileiras; o reforço da cooperação entre as redes de escolas e a reafirmação da importância da constituição de parcerias entre escolas; a relevância dos princípios da Educação para a Cidadania e da Literacia do Oceano, a enquadrar no próximo Encontro, em abril de 2019, e também a temática da Educação para a Paz”.
Em jeito de balanço, podemos concluir que estes Encontros são fundamentais, pois permitem a partilha de saberes e “modos de fazer” entre profissionais da educação, a aprendizagem e a reflexão como aprendentes, mas também uma análise mais distanciada sobre o trabalho desenvolvido na nossa própria escola. Segundo as palavras do moderador Dr. Paulo Costa, representante nacional da ONG Plataforma Portuguesa, o projeto do nosso Agrupamento distingue-se pela filosofia de trabalho de “dentro para fora”, numa ótica de partilha do património histórico-cultural e da identidade locais, a partir da figura de Aristides de Sousa Mendes, promovendo valores universais.
Uma palavra de enorme gratidão para a Comissão Nacional da UNESCO, na pessoa da Dra Fátima Claudino e da Dra Isabel Morgado, da Direção do Colégio Luso Internacional.

Dores Fernandes e Josefa Reis
Fotos: Josefa Reis